Economia da Informação

Carlota Perez on the Web 2.0 Bubble

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 18 de janeiro de 2010

Extraído de New York Times.

Em uma entrevista ao NYT, Carlota Perez fala um pouco de desenvolvimento econômico, crescimento real da economia e um pouco sobre investimentos no desenvolvimento tecnológico.

Today, the day the Web 2.0 Summit begins in San Francisco, Matt Richtel and I write about a return to bubble-era valuations for Internet companies.

As part of the research on the article, I had a fascinating e-mail exchange with the British economist Carlota Perez, the author of “Technological Revolutions and Financial Capital: The Dynamics of Bubbles and Golden Ages”. Ms. Perez is an expert in economic patterns; she argues that bubbles arrive with regularity during each major technological shift and are typically a good thing – they help to concentrate investment and spur technological advancement.

Here are excerpts from her writing to me for your reading pleasure. Do you think we are in another dot.com bubble? Add your thoughts in the comments below.

Ms. Perez writes:

Bubbles are about the installation of a technological revolution and they concentrate investment in the radically new industries and infrastructures. They happen every 40 to 60 years and are essentially a grand experiment to select the products and the companies that will serve as engines of growth for the next few decades. They are an intrinsic part of the transformation of the economy by a wave of revolutionary technologies. They are about financial speculation on top of real investment in real innovation.

The current bubbles are ordinary ones, with no positive outcome except that some people become extremely rich and many more incur huge losses.

Asset prices now look as irrational as in 1999. In my view, there are both simple and complex explanations.

The simplest ones have to separate stock market speculation from the wave of acquisitions. The first, I think, is an echo of the previous tech bubble. Those who missed out are playing a repeat of the game of “picking winners.” In that game, promise is better than reality.

M&As are different. Historically, what has happened after the collapse of the major technology bubbles is that the new industries establish stable structures (tending to oligopoly) by absorbing the weaker players and defining the competitive boundaries through mergers, acquisitions and divestitures. The current battles for industrial leadership and restructuring in each sector are being fought like the auctions at Sotheby’s. Nobody knows how much each company is really worth (or going to be worth in the future), but if that little company defines who the winner will be in this potential trillion-dollar industry, then “we must get it at whatever price.” With no flood of money, this would have happened at bargain prices rather than inflated ones.

The more complex explanations have to answer why the excess money and why so much of it has gone into a financial casino and into asset inflation rather than into widespread real investment, innovation and high-quality employment growth. They would also have to answer why the Nasdaq bubble didn’t play the usual role of these major technology bubbles, of clearing the decks and going back to fundamentals.

We could talk about that. But, in general, a complete breakup of the relative price relationships is something that happens with each technological revolution. And this is not only in the stock market (where asset inflation follows mad speculative frenzy) but also between products and services. How many cars do you need to buy a house? How many laptops to buy a car? How many Starbucks cups of coffee to buy a laptop? There is a mixture of differential productivity rates with very lopsided income distribution (those who make money fast and easily have no sense of relative values and are the ones who set “what the market will pay”).

The same happened in the Roaring Twenties but relative prices balanced out after the war, when full employment and the quickly increasing masses of “middle income” families established the accepted price profile. Of course, this paradigm is different from mass production; diversity will prevail where uniformity was the rule and global realities will strongly influence the previous mainly “national” economies.

What is good for all is for the new industries to become powerful and capable of expanding and pulling the rest of the economy, while providing high-quality products and services and high-quality jobs. Asset price inflation was good in the late 90s when there was a need for overinvestment in telecoms and Internet, even before they could produce profits or dividends. Everybody was willing to put their money into the new high tech companies because they could get short-term capital gains (only a few invested because they wanted to hold on to the shares until they really became major companies paying dividends). That is how the capital was gathered to “fiber-wire” the whole world, to get everybody to learn the new paradigm and to test every imaginable dot.com idea.

Asset inflation is bad when it is confined to a casino game in the stock market with the already existing companies. Especially if what the existing companies do with the extra money is pay exorbitant sums for other companies. There is no wave of I.P.O.’s now. As far as I know, the new companies just want to be bought by the majors.

Nevertheless, although the process is unnecessarily expensive it is still positive. Real innovators have a strong incentive (and so do the sham ones). Meanwhile, the more powerful the big new companies, the more powerful the economy. They are the new engines of the economy; the leaders of the sectors that have true growth and innovation potential and a long way to go before they mature. General Motors is a wounded giant that cannot pull any other industry (not even itself) and yet, when G.M., Ford and Chrysler (in the previous “mass production” revolution) were as young and innovative as Google, Microsoft and Intel are now, they were able to drive the economy forward and stimulate growth and innovation around them.

Intense free competition is good in the first few decades when nobody knows who are the winners and the leaders. The market is very good for that (although it is not always the best that win, it is usually the most aggressive). But once the leaders are there, other forms of competition (more oligopolistic) and other market conditions (intelligently regulated) become better. That is when each revolution produces its “Golden Age.” During the Roaring Twenties and the Brilliant Nineties, the rich got richer and the poor poorer. The second half of diffusion of each technological revolution spreads its benefits much more widely.

But if it continues to be finance and not production that calls the shots, that golden age may never arrive and the current “gilded age” may continue indefinitely.

Anúncios

Carlota Pérez: a economista que tem a solução para a crise

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 18 de janeiro de 2010

Extraído de IONLINE.

Em uma entrevista ao site IOnline, Carlota Perez fala um pouco de crise econômica, e faz algumas recomendações para a saída da crise.

“Temos à frente uma época de prosperidade, mas não será fácil chegar lá. É preciso mudar a lógica do lucro a curto-prazo e criar um regulador mundial”

Carlota Pérez esteve em Lisboa a convite da APDC e falou ao i sobre uma crise que antecipou no seu livro de 2002. Pérez caracteriza os tempos actuais como uma das grandes mudanças tecnológicas que se vivem a cada 50 anos. A prosperidade está já ao virar da esquina, garante, mas é preciso não fechar os olhos ou tapar com areia os problemas que nos guiaram até à crise actual.

O que esperar depois da crise?

Se a história serve de indicador, depois de crises que surgem a meio de uma grande revolução tecnológica, vem uma época dourada. O boom Victoriano, a Belle Époque e o auge do pós-guerra foram períodos de prosperidade. Mas isto não é mecânico. Exige decisões que modifiquem as condições do mercado, que favoreçam a economia real e não o casino financeiro e distribuam melhor a riqueza, estimulem a procura e a expansão da produção e emprego. O capitalismo já viveu quatro ciclos pendulares como este.

Esta crise é diferente de outras?

Comparar-se esta crise à de 1929 não é coincidência. Esta é da mesma natureza que a do crash ou do pânico dos investimentos em massa nos caminhos-de-ferro no séc. XIX. É uma crise inerente ao modo como o sistema assimila as grandes mudanças tecnológicas, daquelas que só ocorre uma vez a cada meio século. Vivemos uma crise dupla. Nenhuma das inovações financeiras que nos guiaram à crise actual, como os CDO [conversão de hipotecas em acções], nem a sua comercialização global, podiam fazer-se sem informática. Esta crise marca o fim da necessidade de termos as finanças a controlar a economia. Hoje é preciso que o Estado volte a ser activo.

Esta crise é uma adaptação às novas tecnologias?

Quando uma revolução tecnológica se esgota, também a sua lógica se esgota. O Estado tem agora de se adequar às necessidades do paradigma informático para que renda benefícios para a sociedade. Se as crises são inevitáveis? Diria que, por agora, o modo como se tem desenvolvido o sistema do mercado requer uma ruptura grande que apenas o capital financeiro, com a sua mobilidade, consegue fazer. É pegar no dinheiro e transferi-lo para os empreendedores, convertê-los em grandes empresas, como a Google ou Microsoft. O capital tem agora que voltar a apoiar a produção.

Depois da crise, qual será o papel do Estado?

É como ter um doente em estado crítico. A prioridade é salvá-lo. Depois de salvo, a preocupação passa por evitar que ocorra o mesmo. Há muitas formas de fazer isso. Primeiro, mudar as regras de funcionamento do sistema financeiro, dar-lhe mais transparência. O casino financeiro operava num registo de total opacidade. Madoff é só a ponta de um iceberg de comportamentos duvidosos na sombra. Segundo, uma regulação global. Não se pode controlar internamente um sistema que funciona sem fronteiras. É também preciso que o sistema financeiro se volte para a economia real, apoiando a criação de riqueza na produção. Para isso é preciso mudar os incentivos e até a fiscalidade. Os prémios e incentivos ainda passam pela tomada de risco. Esse foi o caminho do colapso. Criar emprego, investir em formação, exige esforço e não faz milionários em pouco tempo.

Mudar as mentalidades…

Não. Tem que se forçar a mudança. Se criar um imposto alto para quem vende uma casa, acções ou instrumentos financeiros logo depois de os comprar, e impostos decrescentes para quem só vende passados cinco anos, então há um desincentivo ao curto-prazo. Igual se der um benefício fiscal ao investimento criador de emprego. Estes impostos mudam o perfil do mercado.

Esta mudança é fulcral para se chegar à nova época dourada?

Muito. A questão ambiental é outro grande espaço tecnológico possível e que tem que ser criado. Ele existe, mas o mercado não é suficientemente grande para ser incentivador. A globalização tem que ver com a possibilidade de ampliar mercados e a produção, e isto virá reduzir os problemas de terrorismo, da imigração, aproximando os continentes que ficaram atrás: África e América Latina.

Mas as tecnológicas já investiram nessas geografias

O investimento é bom, mas não pode ser feito à custa de desemprego na Europa. A solução passa pela especialização regional. Para os países desenvolvidos há várias áreas: entretenimento, educação, indústrias criativas, ambientais, biotecnologia, nanotecnologia, etc, o que supõe investimentos em massa e emprego por muitos anos. Já a produção, que requer muita mão-de-obra, pode ser oportunidade nos países densamente povoados como os asiátios, enquanto a indústria de processamento de materiais, química ou agro-industrial poderia sediar-se na América Latina e África que têm muitos recursos naturais. A globalização plena da produção pode elevar o nível de vida do terceiro mundo como o Welfare State fez com o primeiro mundo.

É dar prioridade à procura de mais equilíbrio…

O capitalismo está sempre a evoluir. É inegável que estamos melhor do que há 100 anos, embora ainda haja pessoas a morrer de fome. O sistema funciona assim, avança, retrocede e volta a avançar. As tecnologias estão aí e depende das sociedades até onde chegarão e como serão usadas, havendo sempre o risco de não aproveitarmos todo o seu potencial porque muitos mecanismos do capitalismo são motivados por ambição pessoal.

Esta crise terminará a curto ou longo-prazo? Uns falam que será em V, outros em W?

Dizem que vai ser um V, ou um W, porque consideram que é uma crise comum que se ataca com políticas típicas. Se apenas estivermos dedicados a curar o sistema financeiro não vamos ter um W, mas sim sete dromedários seguidos. Subida, queda, subida, queda e cada vez pior, até que se perceba que as mudanças necessárias não são só financeiras. São muito mais abrangentes: um Bretton Woods mais o Welfare State. Não podemos ter uma economia próspera sem que as decisões de investimento passem para o capital produtivo. Uma empresa que hoje queira investir a três ou quatro anos não consegue. Porquê? Porque a bolsa exige-lhe que a cada três meses tenha mais lucros.

O curto-prazo é autodestrutivo?

O carácter de curto-prazo do capital financeiro prejudica economia. É preciso pensar a longo-prazo em projectos, infra-estruturas, mudanças relacionadas com ambiente e sociedade, e que não serão feitas pelas finanças onde tudo é lucro fácil.

E o mundo financeiro vai deixar que ocorra tal mudança?

Pois? As grandes economias precisam desta mudança, estão amarradas ao sistema financeiro que precisam de controlar. Não sei se será possível mudar isto, daí não estimar quanto tempo vai durar esta crise. Um crescimento harmónico da economia, positivo e não polarizante, não se atingirá a menos que capital financeiro deixe de controlar tudo. Controla a economia, o mundo político…

Para chegar ao novo estado dourado, que vaticina, será preciso mudar tudo isto?

Sim, de forma a aproveitar o potencial de crescimento que hoje existe e que é imenso. O potencial de lucros é enorme, cabe a esta geração aproveitá-lo.

Em Portugal discutem-se os investimentos em grandes infra-estruturas. Há quem os defenda e quem defenda investimentos divididos por vários pequenos projectos. Qual a prioridade?

Se realmente só há uma dada quantia de dinheiro, a decisão não é fácil. A razão para investir em grandes infra-estruturas é criar emprego para aqueles que perderam emprego com a crise. E isso não acontecerá com pequenos projectos. Não se esqueça que estamos no tempo da terapia intensiva, em que a prioridade é salvar o doente.

Dar prioridade ao desemprego?

Claro, o desemprego não é um conceito abstracto. Mas atenção que para preparar o médio-prazo também são precisos os outros projectos, pequenos e grandes de inovação, de pequenas e médias empresas. Muito disso pode ser feito pelos privados, não tem de ser o Estado.

O que nos espera na Época Dourada? Grande crescimento ou crescimento curto mas sustentado?

Não podemos dizer o que vamos esperar, porque temos que construi-lo. Há muitos obstáculos a ultrapassar, como o poder do sistema financeiro e o nacionalismo. É muito importante que existam políticas nacionais mas não nacionalismos. Não ceder um pouco de quota do poder às estruturas supranacionais é um obstáculo, há que aceitar a supranacionalidade.