Economia da Informação

Revista Veja – Os Grandes “Bolhonários” da Forbes

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 21 de março de 2010

Na edição 2156 da revista VEJA datada 17 de março de 2010 na página 80 no setor de economia, há uma matéria muito interessante sobre como é feita a alavancagem de grandes fortunas, mesmo sem qualquer tipo de produção propriamente dita.

A reportagem destaca a rápida escalada do empresário Eike Batista que saltou do 142° para o 8° lugar na lista dos mais ricos do mundo; tudo isso apenas vendendo e comprando lotes de terras a serem exploradas para a extração de petróleo.

Em resumo, é uma reportagem que conduz a uma reflexão de como a especulação – tratada com eufemismo a ponto de ser chamada de investimento – em especial em commodities, pode conduzir o mercado a comprar aquilo que não agrega, não produz e sequer tem resultados concretos;  o que formenta uma bolha perigosissíma que ao estourar pode trazer prejuízos sem precedentes.

PARA LER

MILLE, Matthew; KROLL, Luisa. The World’s Billionaires. Forbes Web Site. Disponível em<< http://www.forbes.com/2010/03/10/worlds-richest-people-slim-gates-buffett-billionaires-2010_land.html?boxes=Homepagetopspecialreports >> Acessado em 21 Mar 10 às 09h00.

VEJA ONLINE. Os grandes “bolhonários” da Forbes. Disponível em << http://veja.abril.com.br/170310/grandes-bolhonarios-forbes-p-080.shtml >> Acessado em 21 Mar 10 às 09h18.

Anúncios

Carlota Perez on the Web 2.0 Bubble

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 18 de janeiro de 2010

Extraído de New York Times.

Em uma entrevista ao NYT, Carlota Perez fala um pouco de desenvolvimento econômico, crescimento real da economia e um pouco sobre investimentos no desenvolvimento tecnológico.

Today, the day the Web 2.0 Summit begins in San Francisco, Matt Richtel and I write about a return to bubble-era valuations for Internet companies.

As part of the research on the article, I had a fascinating e-mail exchange with the British economist Carlota Perez, the author of “Technological Revolutions and Financial Capital: The Dynamics of Bubbles and Golden Ages”. Ms. Perez is an expert in economic patterns; she argues that bubbles arrive with regularity during each major technological shift and are typically a good thing – they help to concentrate investment and spur technological advancement.

Here are excerpts from her writing to me for your reading pleasure. Do you think we are in another dot.com bubble? Add your thoughts in the comments below.

Ms. Perez writes:

Bubbles are about the installation of a technological revolution and they concentrate investment in the radically new industries and infrastructures. They happen every 40 to 60 years and are essentially a grand experiment to select the products and the companies that will serve as engines of growth for the next few decades. They are an intrinsic part of the transformation of the economy by a wave of revolutionary technologies. They are about financial speculation on top of real investment in real innovation.

The current bubbles are ordinary ones, with no positive outcome except that some people become extremely rich and many more incur huge losses.

Asset prices now look as irrational as in 1999. In my view, there are both simple and complex explanations.

The simplest ones have to separate stock market speculation from the wave of acquisitions. The first, I think, is an echo of the previous tech bubble. Those who missed out are playing a repeat of the game of “picking winners.” In that game, promise is better than reality.

M&As are different. Historically, what has happened after the collapse of the major technology bubbles is that the new industries establish stable structures (tending to oligopoly) by absorbing the weaker players and defining the competitive boundaries through mergers, acquisitions and divestitures. The current battles for industrial leadership and restructuring in each sector are being fought like the auctions at Sotheby’s. Nobody knows how much each company is really worth (or going to be worth in the future), but if that little company defines who the winner will be in this potential trillion-dollar industry, then “we must get it at whatever price.” With no flood of money, this would have happened at bargain prices rather than inflated ones.

The more complex explanations have to answer why the excess money and why so much of it has gone into a financial casino and into asset inflation rather than into widespread real investment, innovation and high-quality employment growth. They would also have to answer why the Nasdaq bubble didn’t play the usual role of these major technology bubbles, of clearing the decks and going back to fundamentals.

We could talk about that. But, in general, a complete breakup of the relative price relationships is something that happens with each technological revolution. And this is not only in the stock market (where asset inflation follows mad speculative frenzy) but also between products and services. How many cars do you need to buy a house? How many laptops to buy a car? How many Starbucks cups of coffee to buy a laptop? There is a mixture of differential productivity rates with very lopsided income distribution (those who make money fast and easily have no sense of relative values and are the ones who set “what the market will pay”).

The same happened in the Roaring Twenties but relative prices balanced out after the war, when full employment and the quickly increasing masses of “middle income” families established the accepted price profile. Of course, this paradigm is different from mass production; diversity will prevail where uniformity was the rule and global realities will strongly influence the previous mainly “national” economies.

What is good for all is for the new industries to become powerful and capable of expanding and pulling the rest of the economy, while providing high-quality products and services and high-quality jobs. Asset price inflation was good in the late 90s when there was a need for overinvestment in telecoms and Internet, even before they could produce profits or dividends. Everybody was willing to put their money into the new high tech companies because they could get short-term capital gains (only a few invested because they wanted to hold on to the shares until they really became major companies paying dividends). That is how the capital was gathered to “fiber-wire” the whole world, to get everybody to learn the new paradigm and to test every imaginable dot.com idea.

Asset inflation is bad when it is confined to a casino game in the stock market with the already existing companies. Especially if what the existing companies do with the extra money is pay exorbitant sums for other companies. There is no wave of I.P.O.’s now. As far as I know, the new companies just want to be bought by the majors.

Nevertheless, although the process is unnecessarily expensive it is still positive. Real innovators have a strong incentive (and so do the sham ones). Meanwhile, the more powerful the big new companies, the more powerful the economy. They are the new engines of the economy; the leaders of the sectors that have true growth and innovation potential and a long way to go before they mature. General Motors is a wounded giant that cannot pull any other industry (not even itself) and yet, when G.M., Ford and Chrysler (in the previous “mass production” revolution) were as young and innovative as Google, Microsoft and Intel are now, they were able to drive the economy forward and stimulate growth and innovation around them.

Intense free competition is good in the first few decades when nobody knows who are the winners and the leaders. The market is very good for that (although it is not always the best that win, it is usually the most aggressive). But once the leaders are there, other forms of competition (more oligopolistic) and other market conditions (intelligently regulated) become better. That is when each revolution produces its “Golden Age.” During the Roaring Twenties and the Brilliant Nineties, the rich got richer and the poor poorer. The second half of diffusion of each technological revolution spreads its benefits much more widely.

But if it continues to be finance and not production that calls the shots, that golden age may never arrive and the current “gilded age” may continue indefinitely.

Entrevista: Carlota Pérez

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 18 de janeiro de 2010

Em uma entrevista da revista Veja, Carlota Perez uma das maiores autoridades em Economia da Informação faz uma análise do momento passado no ano de 2009, e fala sobre desenvolvimento econômico.

Extraído Originalmente de VEJA.Online.

Por Diogo Schelp.

“Depois da recessão virá um período de bonança, com o capital produtivo dirigindo os investimentos”

Economistas com visão histórica e capazes de fazer análises consistentes de longo prazo parecem ser uma espécie em extinção. A esse grupo pertence a venezuelana Carlota Pérez, de 70 anos, professora da Universidade Cambridge, na Inglaterra. Seu Revoluções Tecnológicas e Capital Financeiro, de 2002, adquiriu a dimensão de clássico ao colocar o atual momento econômico no contexto das grandes reviravoltas no campo da técnica que ocorrem a cada cinquenta anos, em média. Para Carlota, estamos em plena era da informação, iniciada em 1971 com a produção em série dos chips de computador e sua quase universalização nas três décadas subsequentes, que ela chama de “fase de instalação”. Na etapa seguinte, que o mundo começa a viver em breve e pode durar de vinte a trinta anos, as novas tecnologias vão, enfim, produzir o grande salto na qualidade de vida da maioria da população mundial. A esse período Carlota dá o nome de “fase de desdobramento”. A crise atual seria, para ela, apenas uma transição dolorosa entre essas duas fases. De seu escritório em Cambridge, ela deu a seguinte entrevista a VEJA.

A crise atual não assusta tanto?
A economia de mercado é naturalmente instável. Quando está no auge, peca pelos excessos; quando está em baixa, autocorrige-se. No entanto, esta crise, em conjunto com o estouro da bolha da internet em 2000, é de uma natureza distinta. Estamos presenciando hoje um colapso de envergadura muito maior que a usual. O atual fenômeno equivale ao pânico provocado pelos investimentos em massa nas estradas de ferro, em meados do século XIX, na Inglaterra, ou à quebra da Bolsa de Nova York, em 1929. Colapsos como esses só ocorrem a cada meio século, no meio do caminho de grandes revoluções tecnológicas.

Qual é a relação entre o recente colapso financeiro e o estouro da bolha da internet, no início da década?
O colapso atual representa a continuação da queda da Nasdaq, a bolsa eletrônica de Nova York, mas com outro foco. A bolha da internet baseava-se na inovação tecnológica; a que estourou agora, na inovação financeira. Enquanto o inchaço financeiro foi induzido pela existência de crédito abundante e fácil, o da internet atraía investimentos pela fé no poder das novas tecnologias de proporcionar lucros extraordinários. Em 1929, tudo entrou em colapso ao mesmo tempo. Desta vez, isso aconteceu em dois capítulos. Eu esperava que, depois do estouro da bolha da internet, viessem a regulação financeira e as políticas a favor da expansão produtiva. No meu livro, de 2002, eu já expressava grande preocupação com a continuidade do cassino financeiro. Mas as autoridades não prestaram a mesma atenção.

O que virá depois da atual crise?
Provavelmente um período de bonança, em que o estado voltará a ser um ator mais presente na economia e o capital produtivo vai direcionar os investimentos, tomando o lugar do capital financeiro, como até pouco tempo atrás. Antes de chegar a essa fase, é claro, será preciso superar a recessão que sempre sucede aos desastres.

Quanto tempo pode durar a recessão mundial?
Tudo depende da interpretação que os governos dos países mais ricos darão à natureza dessa crise. Se eles acreditarem que se trata apenas de um problema de falta de confiança do mercado financeiro, vão se empenhar em aplicar políticas superficiais e injetar dinheiro no sistema, para reavivar os mercados de valores e imobiliário. Nesse caso, há duas opções: ou a recessão vai ser muito longa ou surgirá uma nova bolha seguida de um colapso ainda maior. A história mostra que um período recessivo pode durar apenas dois anos, como ocorreu em meados do século XIX, ou quinze anos, como no caso de 1929.

Que políticas parecem mais adequadas neste momento?
Para começar, é preciso reconhecer que não se trata de regressar ao estágio em que estávamos antes do colapso, e sim de dar um passo adiante. Os governos terão de criar um mecanismo regulatório global para as finanças. Dentro dos países, deve-se reformular o mercado financeiro por meio de um conjunto de políticas fiscais e de controle. Os gastos públicos devem ser direcionados para favorecer os investimentos produtivos e inovadores. Os maiores lucros dos investidores têm de passar a vir da produção real. Os lucros fáceis com especulação devem ser contidos com impostos mais altos. Deve-se deixar para trás a máxima “Não trabalhe por dinheiro, deixe que o dinheiro trabalhe para você”. Será preciso criar mais e melhores empregos que produzam e distribuam a riqueza segundo outro critério: o esforço empreendedor e de trabalho. O mundo financeiro terá de ser reorientado para criar formas de investir no setor produtivo. O essencial é favorecer a expansão e a inovação na produção.

As bolhas são evitáveis ou são males necessários?
A legitimidade do capitalismo está em fazer da busca pelo enriquecimento individual um benefício para toda a sociedade. Nas bolhas, isso se perde e ocorre uma forte concentração da renda. Os períodos de bonança tendem a reverter esse processo, e por isso mesmo costumam ser chamados de “eras de ouro”. Mas as bolhas têm o mérito de construir infraestruturas que ampliam os mercados a custo muito baixo e estabelecem novos paradigmas tecnológicos. Esse período de instalação permite modernizar a indústria e colocá-la em condições de inovar e crescer ainda mais velozmente.

De que forma isso ocorreu nas revoluções tecnológicas do passado?
Quando se fala da Revolução Industrial do fim do século XVIII, na Inglaterra, sempre se pensa na introdução das máquinas têxteis e no enorme salto de produtividade que isso acarretou, mas poucas vezes se menciona a rede de canais de distribuição que permitiu carregar o algodão, o carvão e os produtos por todo o país, passando de um rio a outro e dali para o mar. Essa foi a internet daquele período. Já a revolução tecnológica seguinte, a da máquina a vapor, no século XIX, levou à criação de ferrovias, do telégrafo e do sistema de correio padronizado. Nos anos 1920, começou a substituição dos trens, das carruagens a cavalo e dos vapores pelo automóvel e pelo avião, que necessitavam de uma vasta rede de estradas e aeroportos. Essas novas tecnologias, assim como o rádio, foram objeto de intensa especulação e também contribuíram para o colapso de 1929. As redes de distribuição da primeira Revolução Industrial, as ferrovias do século XIX e as estradas do início do século XX são exemplos de redes de infraestrutura que só se conseguiu construir porque havia grandes investidores dispostos a gastar seu dinheiro em algo que demorou muito para dar lucros operacionais. São investimentos baseados no tudo ou nada: ou há uma cobertura quase completa ou não se obtêm as vantagens prometidas. A disposição ao risco é alimentada pelo entusiasmo que as novas tecnologias despertam e pela expectativa de conseguir gordos lucros. Sempre há algum Bill Gates que se tornou milionário para dar o exemplo. Quando chega o colapso, muita gente perde grandes somas de dinheiro, mas a infraestrutura fica para todos. Portanto, em essência, a grande bolha e seu colapso são uma forma brutal de conseguir o investimento necessário para instalar o novo e destruir o velho. É o que ocorre com a atual revolução, baseada na tecnologia da informação. Ela embute um enorme potencial de criação de riqueza. Se as forças políticas e econômicas entenderem esse processo e estabelecerem as condições sociais adequadas, o que virá em seguida beneficiará a todos.

A senhora pode dar um exemplo?
No ciclo tecnológico anterior, que estabeleceu a produção em massa, a criação do estado de bem-estar social nos países desenvolvidos elevou o salário dos trabalhadores a um nível tal que lhes permitiu ter um lar confortável, cheio de eletrodomésticos, e um carro na porta. Isso, somado à construção em massa de casas a baixo custo, aos bancos de crédito ao consumidor e ao seguro-desemprego, possibilitou décadas de mercados dinâmicos e crescentes que beneficiaram tanto o mundo dos negócios quanto a população como um todo. Um enriquecimento semelhante pode parecer impossível agora, mas as coisas sempre parecem inviáveis quando se está a meio caminho entre uma fase e outra de uma revolução tecnológica.

Que países se sairão melhor da crise atual, os emergentes ou os ricos?
Os anos de bolha financeira permitiram intensificar a globalização, e a alta dos preços das matérias-primas deu fôlego a muitos países emergentes. Há o risco de a contração da demanda golpear mais duramente os países exportadores, mas os ganhos dos últimos anos permitiram a eles colocar-se em uma posição melhor para enfrentar os reveses. Nos países desenvolvidos, porém, a profundidade da tragédia financeira pode ser um fardo demasiado grande para a economia real e, portanto, para a população. Tudo vai depender, como disse, do desenho de políticas adequadas, assim como da determinação política para pôr na linha o mundo financeiro.

O que a América Latina pode fazer para aproveitar melhor a nova fase de ouro da economia que a senhora prenuncia?
Para aproveitar a próxima etapa, é preciso encontrar um espaço tecnológico próprio. A Ásia, em geral, transformou-se na grande linha de montagem do planeta. Esse continente, com mão de obra abundante e recursos naturais escassos, tem vantagens insuperáveis no setor manufatureiro, que cobre de produtos eletrônicos a têxteis. A América Latina, por sua vez, é um subcontinente muito rico em recursos naturais e com pequena densidade populacional. As indústrias de processamento, da agroindústria à metalurgia e química, são um espaço de especialização e inovação repleto de oportunidades.

Não é um papel menor?
Os recursos naturais, em um mundo globalizado, jamais serão baratos. Ainda que seus preços caiam com a recessão, os limites da oferta sempre serão uma barreira contra prejuízos. Além disso, o mundo das commodities já não se limita às matérias-primas tradicionais. Basta entrar em um supermercado moderno para verificar como a combinação de recursos naturais com tecnologia o ampliou. Ao mesmo tempo, podemos esperar que o processo de globalização, que hoje favorece a Ásia, sofra uma inversão à medida que o custo das matérias-primas e da energia suba. Gradualmente, o gasto com transporte de matérias-primas até aquele continente, e depois dos produtos lá fabricados até os mercados consumidores dos Estados Unidos e da Europa, se tornará relevante em comparação com o custo da mão de obra. Não é improvável, ainda, que o mundo imponha impostos à emissão de gás carbônico – o que encarecerá a produção asiática. Tudo isso vai redesenhar o processo de globalização. Com a estratégia correta, os países latino-americanos podem complementar-se, aproveitando a disponibilidade de recursos de cada um. As nações do subcontinente deveriam, assim, adotar uma estratégia conjunta para aproveitar suas características específicas. A especialização em ciências da vida e de materiais nos colocaria em posição vantajosa para a próxima revolução tecnológica, baseada em biotecnologia, bioeletrônica e nanotecnologia. O Brasil tem ótimas condições para assumir a liderança desse processo.

Por quê?
O tamanho da economia e o potencial do mercado interno, a diversificação da indústria, a capacidade tecnológica e o fato de muitas empresas brasileiras terem vocação global fazem com que o país se destaque no conjunto latino-americano. O Brasil reúne todas as condições necessárias para ter êxito em muitas frentes. Para aproveitar todo esse potencial, o país precisa ainda ampliar suas já extraordinárias conquistas obtidas nos setores de petróleo, química, metalurgia, agropecuária e biotecnologia.