Economia da Informação

SOPA… Just another Infographic…

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 20 de fevereiro de 2012

Retirado originalmente de Silvio Meira.

Anúncios

Ecossistema Fechado

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 26 de março de 2011

Uma ótima aula sobre Ecossistemas de Negócios.

Direto de WALL STREET JOURNAL

Apple CEO Jobs to Testify in Antitrust Suit

By IAN SHERR

Apple Inc. Chief Executive Steve Jobs has been ordered to answer questions in an antitrust lawsuit over his company’s iPod music players.

In a Monday filing, Magistrate Judge Howard Lloyd of the District Court for the Northern District of California in San Jose said Jobs may be questioned for up to two hours over allegations that a software update to the Cupertino, Calif.-based company’s iPod music players made them inoperable with music purchased from RealNetworks Inc.’s music store.

“The Court finds that Jobs has unique, non-repetitive, firsthand knowledge,” Judge Lloyd wrote in his order.

Apple spokeswoman Kristin Huguet declined to comment. A lawyer representing consumers didn’t immediately respond to a request for comment.

A group of consumers, led by Thomas Slattery, sued Apple in 2005, saying Apple created a monopoly with its iPod portable music player and iTunes store. At the time, Apple used a proprietary software, called “FairPlay,” that allowed iPods only to play music purchased from Apple’s iTunes music store. That restriction also kept music from competing music stores from playing on iPods, the consumers said.

“Although a number of competing legal online sellers of digital files exist, Apple has rigged [the iPod] so that only online digital music files purchased from Apple’s iTunes store, to the exclusion of all other online music files purchased from any other online store, can be directly played on the iPod,” the consumers said in their initial filing that accused Apple of running a monopoly.

The FairPlay software was ostensibly created to prevent music piracy, Judge Lloyd said in his filing.

The ruling, which was earlier reported by Bloomberg News, comes as Apple has engaged in multiple lawsuits regarding its mobile devices, their operating software and even the company’s trademark—”App Store”—for downloading programs.

Mr. Jobs remains on medical leave. His most recent medical leave was announced Jan. 17, but Mr. Jobs has attended a dinner with President Barack Obama and headlined Apple’s unveiling of the iPad 2 tablet computer.

 

Analytics superando Data Mining

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 27 de novembro de 2010

Uma coisa é clara. O mundo precisa muito mais de engenharia do que poesia.

Analytics surpassing Data Mining

Analytics surpassing Data Mining – Pdf

Cobrança de conteúdo online: New York Times

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 25 de janeiro de 2010

Economia da Informação – Carl SHAPIRO, Hal R. VARIAN

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 20 de janeiro de 2010

Se fosse para definir um livro como bibliografia básica para iniciar estudos em economia da informação, este livro dos doutores Carl SHAPIRO e Hal R. VARIAN seria ideal.

O livro é uma bíblia para quem está entrando nesse segmento do Weightless World (mundo sem peso), pois, através de alguns postulados fundamentados em elementos da economia tradicional eles conseguem unir a elementos da tecnologia da informação.

Uma resenha mais detalhada foi escrita por João Azevedo e foi publicada na revista Econômica.

Resenha do livro.

Ebooks x Livros

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 16 de janeiro de 2010

No site do Estadão está hospedada uma entrevista com o escritor Paulo Coelho, que é o autor brasileiro mais vendido no mundo; onde ele chama atenção para o modelo de negócios que ele adotou para se popularizar sem perder público que foi de tornar público para download 20 de suas obras.

Paulo Coelho mantém um blog onde ele divulga pequenos pedaços de suas obras ainda em fase de editoração, pensamentos diversos, e támbem serve como canal de comunicação entre os seus leitores.

Partindo para uma pequena análise em Economia da Informação, Paulo Coelho foi muito feliz em sua observação mediante a questão de como a geração acostumada com o papel vai adaptar-se ao meio eletônico ele disse:

Assim como o teatro sobreviveu a tudo (cinema, televisão, etc.), o livro em papel também vai sobreviver. Mas o que estamos vendo no momento em diversos países do mundo, inclusive no Brasil? As livrarias independentes estão desaparecendo. O grande problema reside aí – não há nada que substitua uma boa livraria – pelo convívio, pela atmosfera, pela beleza. Não sei quanto tempo esta transição levará, bem menos do que imaginamos, e creio que a adaptação de todo o mercado será muito difícil. Por outro lado, o e-book tal como conhecemos hoje será em breve substituído pelos smartphones. Quando digo em breve, estou falando antes do final deste ano. E escrever para o formato do smartphone é muito difícil. O que me facilita muito é que tenho experiência com um blog diário no Brasil, e com o meu blog – textos curtos e diretos.

Aqui podemos observar logo de cara o fato de o livro ter alta base instalada e de altos custos de troca tornando lento e desvantajoso o processo de adaptação, mesmo se for por uma tecnologia superior, pois, mesmo com o advento dos smartphones e de e-readers, estes ainda não possuem a infinidade de bibliotecas como o formato impresso.

Outro aspecto a ser observado é o fato de ser mencionada a atmosfera do ambiente de uma livraria ou até mesmo em um clube de leitura, o qual permite um maior grau de sociabilização, fato esse produto da experiência do usuário onde nem mesmo os formatos digitais conseguem suprir essa necessidade humana de sentir o ambiente.

Edge

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 16 de janeiro de 2010

Um ótimo site de informação sobre discussões intelectuais nesse terceiro milênio a respeito de comunicação digital é o Edge.

O site contém diversos ensaios de intelectuais que discutem desde política até artes, passando pela internet e a revolução da informação.

No site do Estadão está hospedado um blog chamado Gabi e Croc que faz diversos reviews de matérias abordadas no Edge. Chama a atenção um infográfico postado sobre como a internet está mudando a forma de pensar das pessoas de George Dyson.



O google está nos tornando estúpidos?

Posted in Sem categoria by Flávio Clésio on 16 de janeiro de 2010

Uma sugestão de leitura sobre Economia da Informação, mas especificamente sobre dispersão e concentração de informações é o ótimo artigo do pensador, ensaísta especializado em economia e negócios, e ex-editor da Harvard Business Review Nicholas Carr.

Em seu artigo publicado em agosto de 2008 na revista Atlantic com o título de Is Google Making Us Stupid ? onde ele traça diversos paralelos sobre a forma em que a informação está mais acessível e democratizada nos dias de hoje, mais especificamente em uma reflexão sobre os motores de busca e a capacidade de dispersão e concentração devido à avalanche de informações as quais somos submetidos a cada dia.

No começo do artigo ele traça um paralelo entre o filme 2001: Uma odisséia no espaço quando ele traz uma passagem do supercomputador HAL e o controle artificial e o descontrole humano. Carr explica que com o advento das novas tecnologias, e aprimoramento das ferramentas de busca mediante a navegação em busca da informação, antes feitas em bibliotecas por horas a fio em busca de uma referência, hoje é feita em questão de minutos graças a montanhas de pentabytes espalhadas pela a internet.

Porém, na visão de Carr, essa acessibilidade à informação tornou o ser humano pouco capaz de selecionar a informação, bem como pouco capaz de manter o foco em atividades que demandem atenção contínua como a leitura de um livro por exemplo. O fato de essas tecnologias trazerem um quociente de informações gigantesco em questão de segundos alimenta também o ramo de propaganda, que, ao mesmo tempo direciona para a informação pertinente; ela também mapeia nossa navegação direcionando propaganda personalizada.

Um paralelo muito interessante realizado por Carr foi de que a dispersão e a falta de foco e concentração durante a navegação na web estão atrapalhando até questões relativas à cognição e a capacidade de aprendizado e sintetização dessa informação, tamanho grau de redução do conhecimento em si para gerar informação; isso é bem conhecido em Arquitetura da Informação mediante a utilização de técnicas de usabilidade, como, redução de texto para páginas em formato web.

Uma passagem no artigo é a similaridade da eficácia taylorista com extrema eficiência da atividade de leitura, que antes deveria ser criteriosa e abdicada de pressa, e hoje tão suprimida pela a falta de tempo dos navegantes da rede.

Na visão do autor para o Google “a informação é uma espécie de commodity, um recurso utilitário que pode ser minerado e processado com eficiência industrial. Quanto mais peças de informação nos pudermos acessar, mais rápido podemos extrair o seu conteúdo, e nos tornaremos pensadores mais produtivos”

Para aqueles que acham que Nicholas Carr é um cético de tecnologia, um dos velhos nostálgicos, leiam o artigo livre de preconceitos, pois, no mínimo, é uma leitura de reflexão em meio a torrente de informações a que somos bombardeados todos os dias, sejam pelo o imediatismo e sensacionalismo dos jornais, bem como a superficialidade e a abreviação precoce das páginas de internet; afinal de contas não queremos nos tornar pessoas panquecas [1] que são vastas lateralmente, mas rasas em conhecimento.

[1] – Adaptação do autor para o termo “Pancake People“.